Visita da Fundação Interamericana analisa importância do Projeto Cariangó

No Couro Seco, David Flesher e equipe Cariangó, foram recebidos ppelos agricultores Benedito, Jorge e membros da comunidade.
No Couro Seco, David Flesher e equipe Cariangó, foram recebidos ppelos agricultores Benedito, Jorge e membros da comunidade.

Na quinta feira, 14, ambientalistas de Itaberaba e várias entidades sindicais e comunitárias receberam a visita do antropólogo David Fleisher, representante da Fundação Interamericana (IAF) no Brasil, que veio conhecer os parceiros e beneficiários do Projeto Cariangó das Espécies Nativas do Semiarido, proposto pela Fundação Paraguaçu. Cumprindo um roteiro que incluiu reuniões na sede da ONG, no edifício do Jornal O Paraguaçu e no auditório da EBDA Regional, o evento foi palco de manifestações favoráveis à implantação do projeto, tendo causado impressão positiva junto ao técnico da IAF.  “A gente espera que esse projeto venha ajudar muito nosso trabalho de artesanato, pois temos muitas dificuldades para colher o material no mato e não temos onde vender os nossos produtos de artesanato da palha viva”, disse dona Valdelice Guerra, líder das mulheres artesãs do Assentamento Vazante, beneficiarias do Projeto Cariangó. “Nós da Associação Comunitária Rural da Lagoa das Pedras somos parceiros beneficiários das mudas frutíferas para a produção doces artesanais, além do recatingamento”, disse o agricultor familiar Josias Azevedo. Ele afirmou que esse projeto será um modelo de preservação ambiental da caatinga para muitas regiões.

Reconhecendo as potencialidades que o projeto Cariangó pode representar, o promotor público do meio ambiente, Thyego Matos, lembrou que “o recatingamento vai assegurar a presença das abelhas e demais espécie nativas voadoras que promovem a polinização, fator relevante na multiplicação da flora silvestre”. Ele citou que a cultura do abacaxi, apesar de ser um fator econômico positivo para o município, tem expulsado os enxames de abelhas da região, tornando-se uma das causas da degradação ambiental.

Viveiros de Mudas

Coube ao engenheiro José Ruy Cortes, presidente do Conselho Curador da ONG, a apresentação dos aspectos técnicos do projeto, revelando que serão implantados seis viveiros de mudas do Projeto Cariangó, em apoio aos agricultores familiares com a distribuição gratuita de mudas e a montagem de viveiros rústicos para o recatingamento em suas pequenas propriedades. O sindicalista Alfredo Bezerra revelou que o Sindicato Rural de Itaberaba, parceiro do Cariangó, já tem em conta a verba de R$6.0 mil repassados pelo SENAR, para implantação de um viveiro no Parque de Exposições Agropecuárias, que se incorporará na produção de mudas para a meta do plantio de 1.0 milhão de árvores em cinco anos.

José Ruy acrescentou que outros viveiros serão implantados em parceria com as Prefeituras de Itaberaba, Iaçu, Marcionílio Souza, Boa Vista do Tupim e Ruy Barbosa, provocando uma ação territorial de recatingamento e ofertas de mudas para a produção de madeira legal.

Mesmo motivado por todos a se manifestar, o antropólogo David Fleisher manteve-se na postura de ouvinte, tendo realizado muitas perguntas na reunião inicial com a Equipe Técnica do Projeto Cariangó, na sede da ONG liderada pelo ambientalista e jornalista Salvador Roger de Souza.

Metas Cariangó

Conforme as definições apresentadas pelo ambientalista Salvador Roger, o Projeto Cariangó tem como meta primordial o recatingamento e a sustentabilidade do artesanato extrativista, através a implantação do Banco de Sementes, formação de viveiros de mudas nativas a realização anual da Feira Cariangó. É para estas finalidades a solicitação do apoio de UR$49.00 mil dólares à Fundação Interamericana. Em paralelo, salientou Salvador, será criado o Fundo Agro Florestal subsidiado pelos industriais moveleiros, cerâmicos, comerciantes de madeira e produtores pecuaristas, para a produção e oferta de mudas das variedades madeireiras visando garantir a sustentabilidade da meta de 1.0 milhão de árvores plantadas para consumo dos setores produtivos. A intenção do movimento é criar o Parque Florestal do Médio Paraguaçu envolvendo os setores produtivos dos municípios parceiros.

Visitas de campo

Pela tarde, após almoço coletivo ofertado pelas entidades parceiras, os dirigentes da Fundação Paraguaçu e a equipe técnica do projeto, levaram David Fleisher a conhecer o lago do Açude Juracy Magalhães e a Ilha Cariangó, onde será implantado o Banco Genético de Sementes e viveiro de mudas nativas, para reflorestamento das margens. Naquele momento o representante da IAF se manifestou favorável, admirando a beleza do local, quando o anfitrião Salvador Roger revelou que a recomposição das margens do lago vai propiciar um espaço urbano para a educação ambiental e a preservação das espécies da caatinga.

No Assentamento da Vazante, David Fleisher ficou à vontade observando as mulheres artesãs trabalhando a palha viva, tendo inclusive recebido miniaturas artesanais e adquirido peças do artesanato de palha que levou para apresentar na IAF. Depois o grupo se deslocou para a localidade de Couro Seco, verificando-se o impacto da cultura do abacaxi sobre as reservas nativas da Caatinga, onde os agricultores representados por seu Benedito, vice presidente da Associação Comunitária de Lagoa Nova, revelaram apoio às iniciativas de recatingamento do Projeto Cariangó .

Órgão dos Estados Unidos

A Fundação Interamericana (IAF é um órgão independente do Governo dos Estados Unidos, que foi criada pelo Congresso Americano em 1969, para canalizar a ajuda para o desenvolvimento diretamente às pessoas de baixa renda organizadas na América Latina e no Caribe. A IAF tem cumprido seu mandato respondendo com o apoio de doações às ideias mais criativas de autoajuda recebidas de grupos de base e organizações não governamentais. Também incentiva parcerias entre organizações comunitárias, empresas e governo local, destinadas a melhorar a qualidade de vida das pessoas de baixa renda e a fortalecer as práticas democráticas.

No Brasil, IAF mantém três representações, sendo uma em Brasília (Bioma Cerrado), outra no Rio de Janeiro (Bioma Mata Atlântica) e em Fortaleza (Bioma Caatinga).

Um comentário

  1. Parabéns a toda a equipe de ambientalistas que junto com Salvador Roger, a Fundação Paraguaçu e todas as entidades parceiras, estão realizando este grande projeto para salvar nossa Caatinga e o grandioso Rio Paraguaçu que mata a sede de tanta gente. Esta iniciativa merece todo nosso apoio e tomara que a Fundaçãso Interamericana confirme o apoio que foi solicitado. Sucesso!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *