Vândalos invadem a ilha Cariangó, destroem sede do Banco de Sementes e furtam materiais

Telhado foi destruído, telhas cerâmicas quebradas, madeiras, grades de ferros, aduelas e portas foram roubadas

Revoltado, o ambientalista Salvador Roger mostra a destruição ocorrida no Banco de Sementes do Projeto Cariangó.

Um lamentável crime ambiental foi cometido contra o Projeto Cariangó, da Fundação Paraguaçu, quando vândalos e ladrões invadiram a Ilha Cariangó, no açude Juracy Magalhães em Itaberaba, destruindo a sede do Banco de Sementes das Espécies Nativas do Semiárido, que ficou parcialmente demolido. Os criminosos destruíram toda a varanda do imóvel, desmontando o telhado e surrupiando a madeira, dentre vigas, barrotes, ripões e ripas, além de destruírem muitas telhas cerâmicas. Os indivíduos ainda arrancaram e levaram todas as grades de ferro de proteção e arrancaram todas as aduelas das portas e janelas, além de levarem vaso sanitário.

Agentes das policias Militar e Civil estão investigando o crime contra o patrimonio.

O crime ocorreu na semana anterior aos festejos juninos e o fato foi denunciado pelos dirigentes da ONG, junto ao Ministério Público do Meio Ambiente, Policia Militar e a Policia Civil, que iniciou perícias no local. As investigações correm sob sigilo para localizar suspeitos e os receptadores do roubo, pois os meliantes foram vistos vendendo os produtos do furto a receptadores do Bairro Primavera e Loteamento Jardim das Palmeiras.

Grades de proteção e aduelas das portas e janelas foram todas arrancadas e vendidas pelos vândalos.

A policia Militar já esteve nas proximidades do açude e constatou que o cais, construído na margem do lago, também foi destruído por vândalos, que arrancaram o lastro de tábuas que formava a passarela do píer, prejudicando o atracamento de barcos dos pescadores e do projeto.

Tristeza

A estrutura física do Banco de Sementes sofreu sérios danos de vandalismo.

O ambientalista e jornalista Salvador Roger de Souza, dirigente da Ong, encontra-se desolado diante de tamanha agressão ao meio ambiente, qualificando o delito como “crime contra o futuro da humanidade”. O Projeto Cariangó implantou o Banco de Sementes na ilha, com apoio da Fundação Interamericana, visando reflorestar o Açude Juracy Magalhães e produzir mudas nativas para a recuperação do Bioma Catinga “que está sendo dizimado”, lamenta Roger. Ele informa que iniciará uma campanha, solicitando apoio da coletividade para a recuperação dos danos causados ao Projeto Cariangó e fará uma programação de visitas à Ilha, envolvendo a Associação dos Pescadores, moradores da vizinhança, estudantes universitários e da rede escolar, visando a formação da consciência ambiental em apoio ao projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *