Projetos para recuperação de áreas degradadas em Unidades de Conservação da Caatinga serão apoiados

Poderão ser disponibilizados até 12 milhões de reais a serem divididos pelos projetos apoiados. Interessados podem manifestar interesse até 30 de agosto

A Caatinga, que em tupi significa mata branca, vem sofrendo com degradação (Foto: Manuela Cavadas)

Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) convoca instituições de todo o Brasil a manifestarem interesse em participar da Chamada de Projetos para Recuperação de Áreas Degradadas no Interior e Entorno de Unidades de Conservação localizadas no Bioma Caatinga, no âmbito do Projeto GEF Terrestre – Estratégias de conservação, restauração e manejo para a biodiversidade da Caatinga, Pampa e Pantanal, coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA). A proposta é apoiar ações que recuperem entre 675 e 865 hectares da Caatinga, único bioma exclusivamente brasileiro e que vem sofrendo com os efeitos da degradação antrópica (provocadas pelo ser humano).

Instituições interessadas têm até o dia 30 de agosto para manifestar interesse conforme detalhado aqui. São elegíveis como instituições proponentes de projetos: Organizações Não Governamentais (ONGs), legalmente constituídas, cuja missão institucional esteja vinculada ao meio ambiente, preferencialmente à recuperação de áreas degradadas; universidades privadas, sem finalidade lucrativa; fundações privadas, inclusive de universidades públicas, sem finalidade lucrativa; e, por fim, instituições de pesquisa de natureza privada, sem finalidade lucrativa.

Escopo do Projeto

Os projetos fomentados poderão contemplar o interior da Área de Proteção Ambiental (APA) Chapada do Araripe e da APA da Ararinha Azul, bem como o interior e entorno das Unidades de Conservação a seguir: Estação Ecológica (Esec) Raso da CatarinaFloresta Nacional (Flona) do AraripeMonumento Nacional (Mona) do Rio São FranciscoParque Estadual (PE) Caminhos dos GeraisParque Nacional (Parna) da Chapada DiamantinaParna Furna FeiaParna Ubajara e Refúgio de Vida Silvestre (RVS) da Ararinha Azul.

Entre os escopos mínimos dos projetos estão as metas de elaborar um Plano de Recuperação de Áreas Degradadas localizadas no interior e/ou entorno das Unidades de Conservação selecionadas e implementar parte do que foi proposto. O prazo máximo de execução das iniciativas a serem apoiadas é de 36 meses e serão disponibilizados até R$ 12.000.000 (12 milhões de reais) a serem divididos pelos projetos apoiados.

Quem manifestar interesse dentro do prazo será convidado a apresentar as propostas completas a partir do recebimento do documento da Chamada de Projetos na íntegra.

Dúvidas e manifestações de interesse deverão ser encaminhadas para o e-mail chamadagefterrestre@funbio.org.br conforme orientações do regulamento compartilhado no site da Funbio.

A Caatinga

O bioma ocupa uma área de aproximadamente 844.453 quilômetros quadrados – 11% do território nacional cobrindo, principalmente, o Semiárido brasileiro. Engloba Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais. Pouco lembrado se comparado a outros biomas, sofre com desmatamento, falta de manejo adequado do solo e mudanças climáticas, entre outros pontos, que impactam sua biodiversidade.

Estratégias de conservação

Coordenado pelo MMA, o Projeto GEF Terrestre – Estratégias de conservação, restauração e manejo para a biodiversidade da Caatinga, Pampa e Pantanal tem como agência implementadora o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e como agência executora o Funbio.

Serviço

O quê: Chamada de Projetos para Recuperação de Áreas Degradadas no Interior e Entorno de Unidades de Conservação localizadas no Bioma Caatinga
Quando: até 30 de agosto
Mais informações: www.funbio.org.br

(Fonte: econordeste.com.br)

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios