População reclama da “indústria das multas de trânsito” em Itaberaba

Radares da Av. Flaviano Guimarães.
Radares da Av. Flaviano Guimarães.

Depois da travessia de um ano difícil marcado pela seca que causou muitos prejuízos e estendeu por quatro anos até 2013, a população chega a 2014 enfrentando uma dificuldade a mais: a chamada “indústria das multas” que tomou conta da cidade de Itaberaba, depois que a Prefeitura instalou radares vigilantes de velocidade nas principais avenidas e cruzamentos com sinaleiras no centro urbano.  Muitas reclamações tem chegado até ao plenário da Câmara de Vereadores onde os edis Gerson Almeida de Jesus (PT do B), da base do prefeito João Filho e o oposicionista Nilton Mandinga (PSDB) levantaram sérias acusações nas últimas sessões e prometem novas ações para a reabertura das atividades legislativas.

Repercussão na Câmara Municipal

Por conta das multas de transito, a administração do Prefeito João Almeida Mascarenhas Filho foi alvo de sérias acusações por parte dos vereadores. Nilton Mandinga acusa os Agentes de Trânsito de estar perseguindo os vereadores da oposição. “Eu mesmo estou sofrendo retaliações, inclusive um deles teria alardeado pelos quatro cantos da cidade que já teria aplicado quatro multas no meu carro”, disse o vereador repetindo o refrão do agente de transito: “para ele deixar de ser besta”. O vereador comentou sobre a necessidade de a Prerfeitura fazer um trabalho educativo e afirmou que “multar por multar não é o melhor caminho” para regularizar o transito da cidade”.

A acusação mais grave partiu do vereador Gerson Almeida de Jesus, integrante da base de apoio do prefeito. Ele disse no plenário da Câmara, que alguns agentes de transito “estariam recebendo dinheiro da empresa que gerencia o trânsito de Itaberaba, como incentivo para multar os cidadãos de forma indiscriminada”.

200 multas por mês

Segundo informações de motoristas multados, estão sendo aplicadas mais de 200 (duzentas) multas por mês, prevendo-se que muita gente vai ter que vender o carro ou a moto para poder pagar a grande quantidade de penalizações recebidas.

Os motoristas têm questionado a falta de sinalização de advertência sobre os radares, assim como o baixo limite de velocidade das duas vias, onde foram implantados os radares, nas Avenidas Luiz Viana Filho, Ruy Barbosa e Flaviano Guimarães, além dos radares nas duas sinaleiras dos cruzamentos no centro comercial.

A crítica de populares corre solta não apenas nas emissores de rádio locais, mas também em blogs e sites na Internet, como registrou o portal Itaberabaemfoco: “Outra falta de respeito com os motoristas, é que em alguns pontos da cidade, escolhidos a dedo, ficam alguns Agentes de Trânsito escondidos para multar os motoristas que causam alguma infração. Muitos desses lugares com sinalização precária, já era de costume dar contra mão”.

Idiotas

Entrevistado pela redação de O Paraguaçu, o diretor municipal de trânsito Antonio Guto Andrade Santos chamou de “um bocado de idiotas” as pessoas que se dirigem às emissoras de rádio para criticar e acusar o setor de transito como responsável pela indústria das multas. Ameaçando negar futuras entrevistas a este jornal, “se publicar noticia que prejudique suas informações”, Guto estava transtornado. O clima de nervosismo foi abrandado depois que o jornalista Salvador Roger ponderou ao diretor Guto, que ele deveria conduzir a entrevista com tranquilidade e equilíbrio, limitando-se a responder, em lugar de contra atacar. O diálogo foi presenciado pelo jornalista Mário Bergman, editor da Gazeta do Vale, um agente de transito e funcionários do setor.

Intervenções no transito

Mais tranquilo, Guto disse que depois dos Radares, reduziram-se os acidentes de trânsito naquelas avenidas.  Citou que o planejamento da Prefeitura prevê mudanças no tráfego “para dar fluidez e mobilidade para veículos e pedestres”. Será implantado estacionamento coberto para motos e bicicletas na Praça Flávio Silvany; mão única entre o ponto de taxi da Rua da Palmeira como a Av. Rio Branco, dentre outros projetos.

Ao encerrar, como a reconhecer o excesso na aplicação das multas, Guto comentou que “o prefeito João Filho está buscando uma forma legal para reduzir o impacto social causado pelas multas”.

Artigos relacionados

Um comentário

  1. CADE QUE ALGUNS DESSES VEREADORES QUE SE DIZEM CONHECEDORES DE LEIS, NÃO CRIA UMA LEI PARA QUE OS AGENTES DE TRANSITO NÃO MAIS NOTIFIQUEM OS CONDUTORES INFRATORES, OU MESMO, CRIAR UMA LEI PARA QUE ELES SEJAM IMUNE DE LEVAREM NOTIFICAÇÕES DE TRANSITO POR AGENTES E OUTROS MECANISMO. FICA A DICA!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios