Paralelepípedo X Asfalto

Este artigo do engenheiro João Calasans adverte para os riscos da pavimentação asfáltica, provocando o aumento da temperatura urbana, após o sol se por, de até 3º C, mas com sensação térmica de até 5º C.

Todos os calçamentos dos tipos paralelepípedo, sem juntas de cimento são considerados pavimentos ecologicamente corretos, pois permitem a infiltração da água da chuva. As vantagens desta infiltração vão desde a recarga do lençol freático, à diminuição da vazão escoada para os mananciais, o que diminui os riscos de enchentes.

O asfalto, embora sendo uma camada fina, tem o poder de absorver calor durante o período de insolação, este calor é liberado para o meio ambiente, o qual pode ser sentido ao andar pelas ruas asfaltadas. A temperatura é tanta que podemos sentir a liberação do calor nos pés.

O pavimento de asfalto ainda continua irradiando calor por um bom tempo após o sol se pôr, o aumento da temperatura em relação com outros revestimentos é de até 3º C, mas com sensação térmica de até 5º C.

Em pavimentos, as estradas asfaltadas, em dias de calor extremo, o pavimento chega por vezes a derreter e até enrugar, nos pontos onde o trânsito é intenso e é mais notório onde passam veículos pesados.

No piso de paralelepípedos o comportamento é totalmente diferente, uma vez que este tipo de pavimento, por características geológicas da pedra, absorve menos calor.

Este comportamento se deve, além das características da própria rocha, a espessura do calçamento em contato com a base, com o solo, facilita a dispersão do calor absorvido, não irradiando o calor por muito tempo depois do período de insolação, deixando a temperatura mais amena e tornando o clima mais agradável.

Vegetação e escoamento de água

Outra grande vantagem dos pavimentos paralelepípedo, é que depois de algum tempo aparecem fungos e gramíneas inseridas entre as juntas, ou seja, no topo da junta, partes que normalmente acumulam areia.

Estas colônias de vegetais que aí proliferam podem ser imperceptíveis para muitos, mas desempenham funções importantes para o meio ambiente como a absorção de água e nutrientes, fazem ainda a retenção de parte dos sólidos trazidos pela água de chuva, de micro partículas de poluição como borracha do desgaste de pneus e resíduos de travões dos veículos.

O papel exercido por estas vegetações contribui diretamente para a qualidade da água e consequentemente da vida aquática. Estas plantas que crescem entre os calçamentos, ajudam ainda, a diminuir a velocidade de escoamento das águas superficiais e contribuem de forma substancial para dissipar o calor recebido pelo calçamento.

Do nível ambiental, estas pequenas plantas realizam a fotossíntese capturando o CO2 libertado pelos carros e libertando  O2 para a atmosfera. É bom lembrar que elas não prejudicam os aspectos visuais das vias, uma vez que são muito pequenas e as que sobressaem das juntas das pedras, os pneus já fazem a poda com o atrito no calçamento.

Outro ponto agravante com o asfaltamento das ruas é o aumento da velocidade de escoamento das águas de chuva, uma vez que a camada de asfalto normal é impermeável, e visivelmente mais regular que o pavimento de paralelepípedo, o que facilita o escoamento da água. Como tem uma vida útil pequena em relação aos pavimentos de paralelepípedo, fato já comprovado, pelo desgaste do atrito e de intempéries, ainda temos o aumento da velocidade de escoamento da água de chuva que provoca um desgaste considerável para o pavimento asfáltico.

Duração do pavimento

O pavimento asfáltico tem pequena vida útil quando confrontado com os calçamentos de paralelepípedo. Sua vida útil do pavimento asfáltico é menor que um milionésimo da vida útil dos pavimentos de paralelepípedo.

A resistência mecânica ao desgaste da rocha do paralelepípedo é muito superior à do asfalto, porém a aderência do pneu é inversamente proporcional, pelo que este tipo de piso é geralmente usado em zonas de trafego de baixa velocidade, onde a menor aderência não é comprometedora da segurança viária.

Conclusão

Nós países desenvolvidos o vetor qualidade de vida é preponderante. Nas cidades europeias (zona urbana), boa parte das cidades está retirando o pavimento asfáltico e substituído por piso articulado. Para assim melhorar a qualidade da cidade, estando ecologicamente correto.

Recobrir piso em paralelepípedo com camada de asfalta, pratica ecologicamente errada que traz em seu bojo serie de consequência acima citados.

João Calasans é engenheiro civil com larga experiencia na área de urbanismo.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios