O Diário Oficial do Estado (DOE) de Mato Grosso do Sul desta quinta-feira, 12, trouxe o decreto de situação de emergência assinado pelo governador Reinaldo Azambuja, que contempla parte das áreas rurais dos municípios de Aquidauana, Anastácio, Dois Irmãos do Buriti, Corumbá, Ladário, Bonito, Miranda, Porto Murtinho e Bodoquena atingidas pela propagação do fogo sem controle. A medida visa garantir recursos e apoio do governo federal para garantir uma resposta urgente ao controle dos incêndios florestais em áreas legalmente e ilegalmente preservadas, com base nos indicadores estatísticos do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Uma estimativa do órgão aponta a queima de 1 milhão de hectares entre os meses de agosto e setembro, a maioria no Pantanal e Serra da Bodoquena. O decreto também considera o mês de setembro como o mais crítico para a ocorrência de incêndios florestais, devido a prolongada estiagem, a baixa umidade do ar e alertas de ondas de calor para o estado com alto risco à população, e o aumento expressivo de atendimentos nas unidades básicas de saúde, por causa das doenças relacionadas à qualidade do ar, havendo registro de incidência pacientes com problemas respiratórios. Incêndio atinge fazendas de MT e prejuízos podem superar R$ 2 milhões Fogo na BR-163: concessionária nega ajuda e incêndio atinge fazenda A situação de emergência vigorará pelo período de 180 dias e autoriza a mobilização de todos os órgãos da estrutura administrativa do governo do estado, sob a coordenação da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec-MS) nas ações de resposta ao desastre, reabilitação e reconstrução do cenário afetado pelas queimadas. O decreto também autoriza a convocação de voluntários para reforçar essas ações e para a realização de campanhas de arrecadação de recursos perante a comunidade, com o objetivo de facilitar o atendimento à população afetada.

Segundo jornal francês "Le Parisien", heptacampeão mundial de Fórmula 1 teria dado entrada em hospital de Paris para fazer experimentos com células-tronco e até estaria consciente

O suposto tratamento experimental ao qual Michael Schumacher estaria sendo submetido, com a injeção de células-tronco, foi questionado por médicos ingleses. Acidentado em dezembro de 2013, o heptacampeão da F1 teve graves lesões cerebrais e pouco se soube oficialmente desde então. Nesta semana, o jornal “Le Parisien” informou que Schumi, de 50 anos, teria dado entrada num hospital de Paris para receber o tal tratamento, mas nada foi confirmado. Ao jornal Daily Express, a diretora do Centro de Pesquisa sobre Coma do Instituto Neurológico de Milão (Itália), Matilde Leonardi, se mostrou muito cética.

– Não há tratamento experimental com células-tronco que tenha um efeito positivo para pacientes em estado de consciência mínima como Michael Schumacher. As notícias divulgadas sobre o ex-piloto estão apenas alimentando falsas esperanças e iludindo as famílias dos pacientes. Ontem de manhã recebi duas ligações telefônicas de parentes de dois pacientes que queriam informações para permitir que seus filhos acessassem o mesmo tratamento. Eu me vi explicando que não sabemos nada sobre a existência desse tratamento – disse a médica.

Para Leonardi, existe uma precipitação em relação aos tratamentos com células-tronco, e que ainda não é possível confiar numa solução de problemas neurológicos e de medula com esse tipo de abordagem:

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios