Rejeitos de barragem da Samarco causaram prejuízo de R$ 1,2 bi em MG

Setor privado e infraestrutura pública foram os mais afetados pelo rompimento da barragem da mineradora em Mariana, que amanhã completa três meses

Vista da devastação provocada pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG)(VEJA.com/Divulgação)
Vista da devastação provocada pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG)(VEJA.com/Divulgação)

 

Os rejeitos de minério de ferro da barragem da Samarco que se rompeu em Mariana provocaram prejuízos de 1,2 bilhão de reais ao Estado de Minas Gerais e aos 35 municípios banhados pelo Rio Doce, coberto pela lama. O valor consta de relatório divulgado nesta quinta-feira pela força-tarefa montada pelo governo mineiro para apurar prejuízos causados pela tragédia e será cobrado da Samarco, que pertence à Vale e à australiana BHP Billiton. O montante não inclui danos ambientais e o pagamento de indenização a famílias.

Conforme o relatório, 320.000 pessoas foram atingidas pela tragédia, que teve 17 mortes confirmadas. Duas pessoas ainda estão desaparecidas. Amanhã, completam-se três meses do desabamento da represa, que vem sendo investigado por Polícia Federal, Polícia Civil, Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual.

O levantamento do governo do Estado levou em consideração dados entre as cidades de Mariana e Aimorés, na divisa com o Espírito Santo, onde o Rio Doce deságua. Na conta estão incluídas a reconstrução do distrito de Bento Rodrigues, destruído pela lama, a recuperação de estradas e gastos com saneamento e saúde pública feitos pelo Estado e municípios, além da paralisação de atividades comerciais, industriais e agropecuárias pela iniciativa privada. “É um valor inicial. Sempre teremos recortes semanais e mensais em que aparecerão novos gastos. O ponto final está longe de ser alcançado”, afirmou o secretário estadual de Desenvolvimento Regional Política Urbana e Gestão Metropolitana, Tadeu Martins Leite.

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios