Direto da RedaçãoFlashItaberabaMeio AmbienteNotícias da Chapada Diamantina

Movimento 1.0 milhão de Arvores articula encontros com órgãos ambientais

Cabeçalho 2Na semana passada a comissão  técnica de elaboração do Projeto Pólo Florestal do Médio Paraguaçu, manteve reunião com os técnicos do escritório regional da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola – EBDA, conquistando a adesão maciça daquele grupo de trabalho representado pelo diretor, agrônomo Roberto Pina Vieira. “Esta iniciativa da coletividade é muito importante para o futuro do nosso Rio Paraguaçu e as reservas da nossa caatinga”, reconheceu pina, ao confirmar o integral apoio da equipe técnica da EBDA. Presentes na reunião os agrônomos Augencio Cesar Ferraz e Jorge Luis Silva, também endossaram a proposta e questionaram a necessidade da equipe contar com o apoio de um engenheiro florestal.

A questão organizacional da proposta foi apresentada pelos ambientalistas, Gilvan Mascarenhas Santos, representante da secretaria municipal de agricultura e meio ambiente e o jornalista Salvador Roger de Souza, dirigente da Fundação Paraguaçu, propositora do Movimento 1.0 Milhão de Arvores. Temas como a formação de três câmaras técnicas de Gestão, Recomposição do Semiárido e Pólo Florestal, foram abordados, bem como a Formação do Fundo Agro-Florestal para dar sustentação financeira ao movimento.

Articulação com o território de identidade

A presença da gestora Josete Sampaio, representante da Secretaria Estadual do Planejamento – SEPLAN e coordenadora do Comitê gestor do Território Piemonte do Paraguaçu,  fortaleceu a inclusão do movimento com ação a ser abraçada também por aquele organismo territorial. “O projeto do Polo Florestal conta com apoio do Comitê Gestor do Território, sendo apropriado para a inclusão na metodologia do proposta de Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE), podendo ser incorporado como meta deste modelo de planejamento”, disse Josete. Ela revelou a importância do ZEE, que visa zonear o território de identidade a partir da convergência de características sociais, econômicas e geoambientais; indicar prioridades para conservação da biodiversidade; definir critérios orientadores para atividades produtivas em cada porção do território (Zona) e disponibilizar um banco de dados georreferenciados para a gestão territorial. Ela esclareceu que esta ação é um instrumento da Política Nacional e Estadual de Meio Ambiente (Lei Federal nº 6.938/81, Decreto Federal n.º 4297/02 e Lei Estadual nº 10.431/06).

Anteriormente, o grupou de trabalho do Movimento 1.0 Milhão de Árvores se reuniu no auditório da Embasa e, deste encontro da EBDA, ficou definido que o próximo será com os técnicos do Instituto Estadual do Meio Ambiente – INEMA, cujo escritório de Itaberaba é coordenado pelo engenheiro o agrônomo Emmanuel Dultra.

admin

FotografoChan, diagramador, webdesigner, morador da cidade de Itaberaba-Ba

Artigos relacionados

Um comentário

  1. Grande Iniciativa de sustentabilidade que ganha apoio decisivo de entidades técnicas como a EBDA , INEMA ,Sindicatos Rurais e o Comitê Gestor do Território,através da ZEE.

    Sugerimos para apreciação a revitalização de toda mata ciliar do Município de Itaberaba,como Projeto Piloto servindo de exemplo para todo o vale.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *