CulturaEducaçãoEnfoque BaianoFlash

Familiares e amigos pedem justiça pela morte do mestre Moa

Capoeiristas, familiares e amigos de Mestre Moa, protestaram diante da delegacia na tarde de ontem. (Foto: Shirley Stolze l Ag. A TARDE)

Familiares e amigos do mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, de 63 anos, o Moa do Katendê, fizeram uma manifestação na tarde desta quarta-feira, 10, na sede do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), na Pituba, em Salvador, para exigir que o autor do crime, Paulo Sérgio Ferreira de Santana, 35, fique preso, e para lembrar a importância da tolerância política.

O amigo da vítima, Paulo Magalhães, 38, conhecido na capoeira como contramestre Sem Terra, ressaltou que a manifestação é uma forma de levar a sociedade à reflexão.

“Estamos aqui para combater essa escalada de violência. Mestre Moa não é a primeira vítima desse discurso de ódio, dessa violência política sem sentido. Vimos isso com a Marielle Franco e com várias outras pessoas anônimas que estão sendo mortas diariamente pelo fato de serem de esquerda, mulheres, gays etc. Nossa intenção é que os casos como esse não volte a acontecer”.

Pela noite desta quarta-feira, a homenagem ocorreu na Fundação Casa de Jorge Amado, no Pelourinho. (Foto: Shirley Stolze l Ag. A TARDE)

Na noite desta quarta, uma homenagem ao capoeirista foi feita no Pelourinho, em frente à Fundação Casa de Jorge Amado. (Fonte: Raul Aguilar – atarde.com.br)

Mestre Moa

Mestre Môa do Katendê é baiano de Salvador. Artista ligado às tradições Afro-baianas; compositor, dançarino, capoeirista, ogã-percussionista, artesão e educador, tendo descoberto suas raízes aos oito anos de idade no “ILÊ AXÉ OMIN BAIN” terreiro de sua tia e incentivadora. Em 1977, consagrou-se campeão do Festival da Canção Ilê Aiyê, o primeiro bloco afro do Brasil, e em Maio de 1978 fundou o “Afoxé “Badauê”, que desfilou pela primeira vez no ano seguinte e tornou-se campeão do carnaval na categoria de afoxé. Em 1995 com a união de colegas e admiradores da cultura afro-brasileira, surge o grupo de afoxé “Amigos de Katendê”.

Em 1995, com a união de colegas e admiradores da cultura afro brasileira, surge o grupo de afoxé “Amigos de Katendê”, que neste mesmo ano participou do carnaval em São Paulo na Cohab José Bonifácio. Em 1996 o grupo viaja a Salvador reintegrando os componentes do “Badauê” e outros afoxés e desfila no carnaval, estabelecendo assim um intercâmbio entre Bahia e São Paulo. Atualmente Mestre Moa do Katendê vem ministrando oficinas de afoxé na Bahia, Sudeste e Sul do Brasil e na Europa e é o coordenador geral do afoxé “Amigos de Katendê”.

Mestre Moa do Katendê fala sobre a “reafricanização” da juventude da Bahia e do processo batizado por Antonio Risério de “reafricanização” do carnaval na Bahia, e atribui este processo a própria dinâmica interna da vida baiana.

Mestre Moa ensinando a capoeira.

Enumera os marcos fundamentais deste processo: a forte presença de organizações e clubes negros nos carnavais da Bahia o “renascimento” do Afoxé Filhos de Gandhi, um dos símbolos do carnaval baiano organização carnavalesca fundada em 1949 por trabalhadores da estiva do Porto de Salvador, um ano antes, portanto do aparecimento do Trio Elétrico, e que no início do dos anos 1970 praticamente desaparecera – e o surgimento do Ilê Ayiê, o primeiro dos muitos Blocos Afro surgidos neste período.

Extrapolando os limites de uma mera participação no carnaval os Blocos Afro ocupam física e culturalmente espaços da cidade, alguns, antes estigmatizados por serem “lugar de preto”, outros, hegemonizados desde sempre pelas elites .

Matriz negra da cultura baiana

No seculo 19 o batuque dos escravos africanos começou a ser chamado de samba Nagô.

Assim como o surgimento do Trio Elétrico, em 1950, veio revolucionar e particularizar o carnaval da Bahia, o processo de “reafricanização”, especialmente com a entrada em cena dos “blocos afro” precipitando a reação africanizante e explicitando marcadamente um caráter étnico hegemonizam do ponto de vista estético, musical e gestual, transformam radicalmente a trama carnavalesca baiana . As pessoas que criaram as novas entidades “afrocarnavalescas” da Bahia assumem e explicitam a matriz negra da cultura baiana numa dimensão nunca antes registrada como é o caso, por exemplo, do próprio Moa do Katendê fundador do Afoxé Badauê, onde vemos a importância assumida pelos cantores na expressão de valores afros entre a comunidade negromestiça de Salvador a consciência da africanidade e da nova poesia afro-baiana, baseada em reminiscências e jogando com a sonoridade das palavras africanas extraídas do vocabulário dos candomblés, textos da autoria de Paulinho Camafeu, Moa do Catendê, Caetano Veloso, Antonio Risério, Heron, Curimã, Moraes Moreira, Gilberto Gil, Ivo do Ilê, Milton de Jesus, Charles Negrita, Chico Evangelista, Jorge Alfredo, Ana Cruz, Cebolinha, Alírio do Olodum, Lazinho Boquinha, Jailton, Egídio e Buziga. (Fonte: congodeouro.com.br)

Com pandeiros e viola o samba se eternizou na musica.

 

Salvador do Paraguaçu

Salvador do Paraguaçu ou Salvador Roger Pereira de Souza, é jornalista editor fundador do periódico O Paraguaçu em circulação desde 1976. Solteiro (divorciado) é um ambientalista dedicado em defesa do Rio Paraguaçu. Para tanto criou a ONG Fundação Paraguaçu, com a qual promove o Projeto Cariangó, que tem por meta o plantio de 1.0 milhão de árvores nativas na região do médio Paraguaçu e Chapada Diamantina. O projeto conta com a participação de empreendedores, muitos voluntários e recebe apoio da Fundação Interamericana - IAF, que firmou o convênio BR-898 com a doação de U$49.0 mil dólares, em apoio a etapa inicial da meta de 1.0 milhão de árvores a serem plantadas em cinco anos. O ano inicial é 2016.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *