Direto da RedaçãoFlashItaberabaNotícias da Chapada Diamantina

Moradores da URBIS rejeitam proposta da Prefeitura de Itaberaba de vender Área Verde para pagar débitos

O local é qualificado como Área Verde Institucional, que deveria ter sido arborizada e ajardinada pelo município

O morador Pedro Paulo mostra a placa inaugural e não concorda com o corte de nenhuma árvore da URBIS.

Secretários e representantes da Prefeitura de Itaberaba, por determinação do prefeito Ricardo Mascarenhas, compareceram por alguma vezes junto aos moradores e vizinhança da área verde, no centro do Conjunto Habitacional João da Matta Pires, atual URBIS, informando que o terreno será loteado para quitar débitos do município. É o que contaram os moradores revoltados diante da anunciada ameaça ao patrimônio público daquele bairro. “Achamos muito estranha a proposta e como ninguém aqui concordou, os representantes da prefeitura já estão informando que nesta área será construída uma clínica de saúde tipo CAPS”, disse Dona Sônia do Acarajé.

Dona Sonia do Acarajé, reunida com os demais moradores, Neco, Toinho, Sue Valtinho e Antonio Ferreira, defendem a área verde contra uso indevido pela prefeitura.

“Nossa maior revolta é que a Prefeitura vem ameaçando cortar todas as arvores, que foram plantada pelos primeiros moradores, e que ajudam até a melhorar a qualidade de vida da nossa comunidade”, reagiu Seu Valtinho, morador do local.

Área Verde

A área em questão é meio quarteirão onde situa-se a placa inaugural do conjunto habitacional da URBIS, que foi edificado na década de 80, no começo da gestão do ex-prefeito Antônio de Andrade Santos Bodinho. Foi inaugurado em 26 de março do ano de 1986, na administração de Bodinho, no governo de Antonio Carlos Magalhães.  Pelo projeto do conjunto habitacional, o local é qualificado como Área Verde Institucional, que deveria ter sido arborizada e ajardinada pelo município.

O local arborizado é muito utilizado pelos moradores como área de lazer há mais 30 anos.

Na área os moradores plantaram grandes arvores há mais de 30 anos, como o Oiti, Amendoeiras e outras espécies nativas e exóticas, que formam um frondoso bosque, muito utilizado pelos moradores como área de lazer, sombra da tarde, além de contribuir com a formação do microclima do bairro.

Os moradores confessaram que está preparando um abaixo-assinado que será encaminhado aos órgãos ambientais, como o Ministério Público, Coordenação Municipal de meio Ambiente – CMMA e ao gabinete do prefeito, pedindo que se evite prejuízos para a coletividade.

Salvador do Paraguaçu

Salvador do Paraguaçu ou Salvador Roger Pereira de Souza, é jornalista editor fundador do periódico O Paraguaçu em circulação desde 1976. Solteiro (divorciado) é um ambientalista dedicado em defesa do Rio Paraguaçu. Para tanto criou a ONG Fundação Paraguaçu, com a qual promove o Projeto Cariangó, que tem por meta o plantio de 1.0 milhão de árvores nativas na região do médio Paraguaçu e Chapada Diamantina. O projeto conta com a participação de empreendedores, muitos voluntários e recebe apoio da Fundação Interamericana - IAF, que firmou o convênio BR-898 com a doação de U$49.0 mil dólares, em apoio a etapa inicial da meta de 1.0 milhão de árvores a serem plantadas em cinco anos. O ano inicial é 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close