Esportes

Lucas revela que soube de demissão pela internet e relembra salários atrasados.

Em briga na Justiça contra River-PI, atacante cita fase sem receber no clube tricolor: "Que cabeça eu tinha para jogar?". Ação cobra R$ 270 mil por danos morais e assédio.

Em batalha jurídica contra o River-PI, o atacante Lucas Bacelar desabafou sobre a situação com o ex-clube. O jogador – que pede na 2ª Vara do Trabalho de Teresina mais de R$ 270 mil (R$ 270.546,38), valor referente a atrasos de salários, danos morais e assédio moral – revelou ter tomado conhecimento da sua dispensa através da internet. O atleta, revelação na época do acesso do Galo à Série C do Campeonato Brasileiro, lamentou a maneira como foi tratado e cobrou respeito.

– Para vocês saberem, eu só fiquei sabendo que fui dispensado pela internet. Teve uma reunião no River-PI com todos que foram dispensados. Aí o cara vem me dizer que esqueceu de informar. Só merecia o respeito do River-PI – disse Lucas.

Lucas ganhou projeção após aval do técnico Flávio Araújo para fazer parte do elenco profissional do River-PI em 2015. Ganhou o Campeonato Piauiense e participou da campanha que levou o River-PI à Série C, inclusive com gol nas oitavas de final contra o Estanciano, e do vice-campeonato da Série D. A virada do ano, contudo, não foi boa e o atacante esteve na lista de corte do Galo.

Lucas cobra na Justiça oito meses de salários atrasados, 13º e férias referentes aos anos de 2015 e 2016; além de multa por assédio moral, devido ao afastamento sem aviso, e danos morais, por atraso dos vencimentos.

– Sou apenas mais um entre vários na mesma situação – comentou Lucas, sobre os salários atrasados.

– Eu trabalhei para sustentar meu filho, e o dinheiro do salário nunca saiu. Que cabeça eu tinha para jogar? Tenho minha casa, cuido dela sozinho, nunca tive ajuda do meu pai como muitos pensão.

Outro lado

Chagas Costa, vice de interesses financeiros do clube e representante tricolor na audiência na 2 ª Vara do Trabalho de Teresina, reprovou a conduta do atleta com a ação na Justiça.

– Fizeram a solicitação, e o problema é que o contrato do Lucas nunca foi assinado. Ele nunca foi assinar. O cara já saiu com a decisão tomada do que ia fazer. Fica impossível ele retornar um dia para o River-PI. Por mim, está despachado – comentou o dirigente.

admin

FotografoChan, diagramador, webdesigner, morador da cidade de Itaberaba-Ba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close