Enfoque BaianoFlash

Leo Prates entra em polêmica e discorda de extinção do TCM: ‘Não vai ser boa’

O presidente do Legislativo de Salvador adverte: "A discussão tem que ser como tornar a fiscalização mais eficiente"

O jovem politico Léo Prates defende a eficiência na fiscalização em lugar de extinguir TCM. (Foto Ascom CMS).

O presidente da Câmara de Vereadores de Salvador, Leo Prates (DEM), entrou na polêmica sobre uma possível extinção do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), defendida pelo chefe da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel (PSD). Para o democrata, o fim do órgão fiscalizador “não vai ser bom”.

“O TCM tem um gasto fixo de pessoal de servidores de quadro, o que representa o maior gasto do TCM, um órgão de fiscalização. Quando você juntar os dois órgãos [TCM e TCE], a economia não vai ser a que se espera. Inclusive, os dois órgãos funcionam no mesmo prédio. Você vai juntar duas estruturas organizacionais diferentes”, analisou, nesta terça-feira (6), durante um café da manhã com a imprensa.

Segundo Prates, no entanto, não há qualquer tipo de revanchismo político ou pressão na posição adotada pelo deputado. “Essa discussão do fim do TCM já vem há mais de dez anos. A discussão tem que ser: onde a fiscalização vai ser mais eficiente? O Tribunal de Contas foi extinto no Ceará, uma comissão deveria ir lá. O TCM e o TCE são importantes, mas a junção dessas duas culturas não vai ser boa. Na minha visão, tem que se cobrar do TCM, fazer mais com menos. O TCM tem sido parceiro e conselheiro nas ações da Câmara. Temos discordâncias, mas é um órgão importante, que tem um corpo técnico brilhante”, enfatizou. (Fonte: http://metro1.com.br)

Salvador do Paraguaçu

Salvador do Paraguaçu ou Salvador Roger Pereira de Souza, é jornalista editor fundador do periódico O Paraguaçu em circulação desde 1976. Solteiro (divorciado) é um ambientalista dedicado em defesa do Rio Paraguaçu. Para tanto criou a ONG Fundação Paraguaçu, com a qual promove o Projeto Cariangó, que tem por meta o plantio de 1.0 milhão de árvores nativas na região do médio Paraguaçu e Chapada Diamantina. O projeto conta com a participação de empreendedores, muitos voluntários e recebe apoio da Fundação Interamericana - IAF, que firmou o convênio BR-898 com a doação de U$49.0 mil dólares, em apoio a etapa inicial da meta de 1.0 milhão de árvores a serem plantadas em cinco anos. O ano inicial é 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close